Conheça algumas das novas habilidades para o retorno ao trabalho presencial

Se as últimas previsões do Governo Federal se cumprirem dentro do esperado, a população brasileira – acima dos 18 anos de idade -, estará vacinada até o mês de dezembro de 2021. Ou seja, estamos em vias de alcançar a “normalidade” tão almejada.

Com isso, outro tema que o mercado de trabalho tem discutido quando o assunto é o retorno aos escritórios, são as novas habilidades, ou soft skills, que gestores e suas equipes terão de absorver nesta nova fase. Afinal, a pandemia e o trabalho home office distanciaram as pessoas e profissionais, criaram oportunidades, mas também trouxeram desafios pontuais.

Além disso, esse momento de crise sanitária exigiu outras posturas e talentos dos profissionais e gestores. Se antes, alguns trabalhavam de casa de maneira informal, retomando ao trabalho presencial – ainda que no modelo híbrido – os profissionais passarão por outras adaptações. As coisas já não são mais as mesmas e nem as pessoas dentro do ambiente corporativo.

E as mudanças que envolvem essa retomada vão muito além da adoção de protocolos de saúde adotadas pelas empresas.

Especialista da HSM University diz que um ambiente solidário e empático será essencial para gestores e colaboradores nessa nova fase do “novo normal”. Sobre o tema “novo normal”, leia também o artigo: Home office permanente será mesmo o “novo normal”?

Soft Skills indispensáveis para o retorno ao trabalho presencial

De acordo com matéria publicada na Época Negócios (01/10), as soft skills devem ter um papel primordial nesse processo de trabalho presencial. Esses conjuntos de habilidades são importantes para a convivência e a produtividade das equipes, e para um melhor desenvolvimento e convívio social e profissional.

“Não é uma volta à vida anterior, é uma volta a uma vida nova, uma forma nova de operar”, afirma o sócio sênior da Korn Ferry, Tiago Salomão. Para ele, “é fundamental que as pessoas entendam esse novo contexto dos ambientes corporativos”.

Segundo a empreendedora Mariana Achutti, fundadora da Sputnik, muitas dessas habilidades já foram previamente consideradas por diversas empresas nas adaptações que este momento pediu. Ela compartilhou algumas delas em artigo publicado no Infor Channel em 25/08.

Conheça algumas delas:

Adaptabilidade
A adaptabilidade é uma das soft skills mais desejadas pelos recrutadores e gestores. Ela foi importante no manejo dos funcionários do escritório para o home office, e agora, será importante para fazer o caminho inverso, já que novas dinâmicas serão construídas de volta para o escritório.

Empatia
A empatia é uma ferramenta fundamental para vivermos em sociedade. É o que faz você se colocar no lugar de um terceiro na mesma situação para tentar entender a posição dele. Essa habilidade é fundamental para líderes, sendo uma peça-chave para uma gestão de pessoas feita com qualidade.

Colaboração e Generosidade
Colaborar é trabalhar em conjunto em prol de algo maior. Pessoas que trabalham bem de forma coletiva são essenciais para criar um grupo de alto rendimento. Isso sempre foi muito necessário para trabalhar em escritórios e as empresas procuram isso nos funcionários visando um ambiente harmonioso e sistêmico, principalmente durante momentos de incertezas.

Organização e planejamento
Essa habilidade é indispensável no dia-a-dia. Uma equipe organizada poupa tempo e se torna mais eficiente. Além disso, quando se tem tudo sob controle, a rotina de trabalho fica menos suscetível a erros, deixando o tempo de trabalho ainda mais eficiente. Para preparar as equipes, principalmente caso a empresa escolha pelo modelo híbrido de trabalho, será necessária muita organização e planejamento relacionado ao remanejamento do espaço físico.

Leia também:
– O futuro dos escritórios no pós-pandemia: evento Barzel Meetings aborda o tema
– Adaptado à crises, mercado imobiliário demonstra resiliência
– Como será o retorno gradativo aos escritórios?
– Maioria das grandes empresas não reduziu seus escritórios, diz pesquisa da Buildings

Resiliência
O mundo corporativo muitas vezes nos tira da zona de conforto e traz desafios nem sempre bem-vindos. A resiliência é a capacidade de se recuperar depois de enfrentar adversidades, em um contexto de mudanças radicais nas dinâmicas corriqueiras. Essa habilidade é quase obrigatória dentro dos escritórios e das empresas, pois ter um bom controle emocional é fundamental diante de imprevistos que podem surgir na rotina de trabalho.

Agilidade
A agilidade, neste caso, está relacionada à capacidade de adaptação. Saber lidar com parte do grupo em trabalho remoto e outra nos escritórios, por exemplo, será determinante para a produtividade.

Equilíbrio
As novas formas de trabalho precisam de equilíbrio, o que pode ser definido como “o segredo da vida”. Essa habilidade é importante em todas as áreas e vai contribuir para que o trabalho seja produtivo.

Autoconhecimento
Por último, mas não menos importante, está o autoconhecimento, ou autoconhecimento situacional. “É quando você tem a capacidade de perceber o impacto que gera no ambiente e como reage ao impacto que o ambiente gera em você”, explica Tiago Salomão da Korn Ferry.

“À medida em que parte dos colaboradores de uma empresa entendem que eles podem contribuir, serem mais compreensivos, mais generosos e mais perspicazes, eles estão exercitando suas softs skills”, acrescenta Luciene Magalhães, sócia da KPMG.

Além destas, há também o equilíbrio emocional. Com a volta aos escritórios, as pessoas devem deixar emoções mais expostas.

“Essa é uma característica que a gente busca cada vez mais e observa nas pessoas. Como elas reagem e se recuperam de uma decepção, de uma frustração, de um momento de raiva ou de um momento de angústia”, finaliza Salomão.

Quais habilidades devem surgir após a pandemia?

Para os colaboradores, outro ponto de atenção para o pós-pandemia se refere à educação continuada. Independentemente da crise, estar sempre se atualizando e estudando é essencial para os profissionais de qualquer área, ainda mais com as mudanças rápidas que ocorrem nos negócios.

“A pandemia ajudou na aceleração digital das empresas, por isso é importante que o profissional esteja apto a acompanhar essas transformações e não só em nível técnico, mas aprimorando a já conhecida soft skills”, ressalta.

Para os gestores e líderes, mudanças profundas já vinham ocorrendo nos últimos anos, e a crise veio para contribuir ainda mais com essa transformação. Proatividade, antecipação de diferentes cenários e uma visão 360 também são requisitos essenciais que aumentarão no pós-pandemia.

“As mudanças no mercado corporativo estavam cada vez mais rápidas, com a pandemia, as empresas tiveram que antecipar algumas transformações, como a digital, e se reinventaram para não perder mercado. Os líderes que tiverem esse olhar e conseguirem contribuir para uma transformação mais ágil e assertiva se destacarão”, afirma Paulo Lira, Coordenador e Supervisor Acadêmico da HSM University.

Com informações da Infor Channel, Época Negócios, CIO, Economiasc e AbeInfo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 8 =