Gestão energética

A importância de ferramentas inteligentes para o monitoramento do consumo de energia

Nos últimos anos, o tema “eficiência energética em edificações” ocupou as agendas de proprietários de edificações e gerentes de facilities. Esse cenário foi impulsionado pelos altos índices de vacância observados nos últimos anos, que exigiram ações para redução de custo operacional e melhoria do desempenho dos ativos. Todo este movimento trouxe grandes avanços e redução de custos operacionais, porém boa parte das ações adotadas são focadas em ações pontuais, como a migração para o mercado livre de energia e a substituição de equipamentos ineficientes.

Além disso, notamos um maior uso dos sistemas de monitoramento de consumo de energia nas edificações, porém boa parte desses sistemas apenas coleta os dados de consumo e, não raras vezes, apresenta os dados de forma pouco estruturada em algum software local. Tais dados, por estarem pouco estruturados, não geram as informações necessárias para uma Gestão Energética correta, pois não permitem o monitoramento do desempenho ideal da edificação.

Tendo em vista esse cenário e as necessidades de reduzir os impactos ambientais associados ao consumo de energia em edificações, que contribuem com grande parte das emissões responsáveis pelas mudanças climáticas, a adoção de sistemas inteligentes de Gestão Energética, capazes de atuar de forma dinâmica para gestão do consumo de energia, é urgente.

O que são sistemas de Gestão Energética?

Um sistema de Gestão Energética é um sistema capaz de monitorar e/ou controlar as necessidades energéticas dos edifícios. Isso permite que seja utilizado o mínimo de energia possível, mantendo os níveis de conforto e desempenho. Esses sistemas apresentam funcionalidades que permitem uma visão sistêmica do consumo de energia. Entre as mais comuns estão:

  • Capacidade de coletar dados de todas as fontes de energia disponíveis e agrupá-los de forma estruturada e de fácil acesso e visualização; • Capacidade de identificar problemas e tendências, analisando dados multivariáveis, como temperatura, ocupação, etc., e não somente o consumo de energia;
  • Capacidade de emitir alertas se o consumo de energia exceder os parâmetros estabelecidos;
  • Capacidade de integrar-se com os sistemas de controle para automatizar respostas e dados de entrada, interagindo com os dispositivos e sistemas de forma ativa e provendo otimização do desempenho em tempo real;
  • Capacidade de fornecer avisos antecipados para quaisquer falhas ou mudanças no comportamento de uso de sistemas que possam comprometer o desempenho da edificação;
  • Capacidade de identificar o desperdício de energia e recomendar correções com base em padrões construídos com inteligência artificial; • Capacidade de comparar o uso de energia do edifício com outros edifícios dentro de um mesmo portfólio ou do padrão de mercado e realizar benchmarking histórico, comparando o histórico de consumo de energia do edifício com o consumo de energia atual, o que possibilita a compreensão do desempenho em curso do seu edifício;
  • Capacidade de automatizar a medição e a verificação, garantindo que as medidas de eficiência energética ou as melhorias no sistema estão produzindo os resultados esperados.

Essas funcionalidades não estão presentes em todos os sistemas, portanto é importante avaliar quais funções são importantes para seu edifício, tendo em mente as necessidades específicas e a infraestrutura presentes na hora escolher a melhor opção.

O ideal com é que a plataforma seja acessível via web, permitindo a integração e a comparação entre diversos edifícios. Contar com equipe técnica especializada e capacitada para extrair o melhor resultado das ferramentas disponíveis também é um fator crucial para o sucesso do processo.

One Comment

  1. Max de Matos Reply

    Excelente artigo.

    Hoje eu estou atuando diretamente com consultoria para a área de eficiência energética, algo que até então não conhecia. Se formos pensar que nossa matriz de energia é em média 70% vindo de hidrelétricas, e que boa parte fora desse índice vem de termoelétricas que são altamente poluentes, temos que pensar pra ontem em medidas que nos façam consumir menos energia, sem perder o conforto e a qualidade.

    O mundo está em mudança e essa mudança depende de nós pra ser a melhor possível. A tecnologia vem para nos ajudar, e temos que saber aproveitar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − catorze =