Como encontrar oportunidades por regiões e Fundos Imobiliários?

Durante este período de pandemia, algumas regiões e ativos na estrutura de fundos imobiliários sofrerem perdas, mas ao mesmo tempo, o mercado imobiliário seguiu se mostrando resiliente. Agora volta-se a abrir uma janela de oportunidades para novos ativos e investimentos. Neste novo vídeo no canal da Buildings no Youtbe, Fernando Didziakas compartilha uma visão sobre as oportunidades que que cada região pode oferecer e como os FIIs se apresentam em cada uma delas.

Muitas empresas estão voltando suas atividades nos escritórios e temos visto algumas já ampliarem seus negócios e seus espaços. Para quem quiser aumentar sua exposição em lajes corporativas, o conteúdo do vídeo anterior também é muito útil para esta análise.

Quais são os fundos imobiliários que passaram bem pela pandemia ou que estão se recolocando bem no mercado a partir desta retomada? Vamos conhecer juntos!

Dados do mercado

Atualmente são 1582 imóveis prontos (sem considerar os que estão em projeto e as pequenas salas comerciais), com estoque total de 11,5 milhões de m² e 2,4 milhões de m² de área vaga. Além disso, há mais 150 mil m² de áreas ofertadas (aquelas que atualmente estão ocupadas, mas que já estão informadas sobre a devolução desse espaço por parte dos inquilinos). E também inclui empresas que estão sublocando seus espaços já que não precisam mais de tanto espaço. Para este universo, a taxa de vacância está em 21%.

Mercado Classe A

São 252 edifícios de alto padrão, com estoque total de 4,22 milhões de m² e taxa de vacância de 23% – uma taxa considerada alta. Os edifícios novos possuem as especificações mínimas para serem considerados de alto padrão e nesse mercado, a taxa de vacância elevada tem mais a ver com a entrega de novos empreendimentos nos últimos meses do que propriamente com os percalços advindos da pandemia.

Entenda o quadro e as oportunidades por regiões

  • Chucri Zaidan

Ela concentra uma grande variedade e número de edifícios de alto padrão. Possui mais metros quadrados do que a Faria Lima. Dispõe ao todo de 31 imóveis e atualmente está com 32% de taxa de vacância.

Sofreu muito com o período da pandemia por também receber um volume de entregas grandes, como as torres do Parque da Cidade, que totalizam cerca de 100 mil m².

Neste sentido, o universo de FIIs é mais cômodo. Existem 12 edifícios/ativos nesta região que possuem alguma parte dentro da estrutura de FIIs listados na bolsa. Há 12 ativos dentro de fundos com taxa de vacância de 10,31%. E quando olhamos apenas para os FIIs também possuem a mesma vacância. Essa taxa está muito controlada.

Isso demonstra que o poder de negociação está bem distribuído entre proprietários e inquilinos.

Nossa visão sobre a região da Chucri Zaidan, quanto à taxa de vacância, nos deixa com um alerta ligado. Pode ser que esses FIIs sofram um pouco mais por causa da vacância alta na região.

  • Paulista

Ela tem um estoque baixo. Aqui são 34 edifícios com 417 mil m². Eles acabam sendo menores, mais no formato boutique, localizados na região do Jardins.

A taxa de vacância está bem mais alta: 23%. E quando olhamos para os FIIs, está por volta de 41% – muito maior que a média na região.

O HGRE11 (que possui vídeo no nosso canal) passou por retrofit e, quando isso acontece, é normal que voltem com uma vacância mais alta.

Se estes fundos estiverem bem precificados, a tendência é que eles tenham um upside interessante de dividendos.

  • Berrini

Colado à Chucri Zaidan e Vila Olímpia, a região possui 26 edifícios comerciais, 400 mil m² de alto padrão e taxa de vacância de 19%. A vacância dos FIIs chegou a ser muito alta, mas agora está mais controlada, em 13%.

  • Vila Olímpia

Hoje ela possui 11% de taxa de vacância – historicamente sempre falamos bem dessa região – sempre teve vacância baixa para os edifícios de alto padrão. O estoque é de 21 ativos.

Quando olhamos para o universo de FIIs são 13% de taxa de vacância. Ela deve ter para os próximos trimestres uma vacância abaixo dos 10%.

  • Nova Faria Lima

Grande pérola do mercado, está com taxa de vacância em apenas 7%. Quase 1 milhão de m² com 47 imóveis e continua se mostrando uma região extremamente resiliente. A vacância para FIIs é zero.

Apesar das incertezas da crise, as empresas optaram por manter seus espaços lá, mesmo com os colaboradores trabalhando em casa, já que se devolvessem poderiam não conseguir alugar no curto prazo. A localização é muito importante e com certeza, haverá aumento no valor do aluguel.

Leia também:
– Adaptado à crises, mercado imobiliário demonstra resiliência
– Como será o retorno gradativo aos escritórios?
– Maioria das grandes empresas não reduziu seus escritórios, diz pesquisa da Buildings

Confira o vídeo na íntegra:

Não esqueça de se inscrever em nosso canal, caso ainda não seja inscrito, e ativar as notificações, clicando no sininho. Clique aqui.

Lembrando que por meio da plataforma Buildings CRE Tool (utilizada no vídeo), é possível obter todas as informações sobre o mercado de escritórios, condomínios logísticos e fundos imobiliários.

>> Conheça a ferramenta CRE Tool

Confira os vídeos mais recentes do canal:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 4 =