Resumo da Semana: notícias do mercado imobiliário corporativo #36

Confira abaixo as mais recentes notícias do mercado imobiliário corporativo, além de artigos com temas relacionados.

Mercado passa a ver Selic a 7% em 2021 e 2022 no Focus

26/07 – Folha de S.Paulo

O mercado elevou ainda mais sua expectativa para a taxa básica de juros, passando a ver a Selic em 7% tanto ao final de 2021 quanto em 2022, em meio a novo aumento na projeção para a inflação.

A pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central na última segunda-feira, dia 26, mostra uma expectativa de maior aperto monetário neste ano, já que o levantamento anterior apontava expectativa de 6,75%. Para 2022, não houve mudança.

Ao mesmo tempo, a expectativa para a alta do IPCA subiu para os dois anos —6,56% em 2021 e 3,80% em 2022, de 6,31% e 3,75% antes. Ambos ficam acima do centro da meta.

O centro da meta oficial para a inflação em 2021 é de 3,75% e para 2022 é de 3,50%, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para o PIB a estimativa de crescimento para este ano melhorou em 0,02 ponto percentual, a 5,29%. Para 2022, permaneceu em 2,10%.

Desenvolvedores não querem voltar do home office, diz pesquisa

26/07 – Veja

No que depender da maioria dos desenvolvedores de software, programadores e engenheiros da computação, não haverá volta aos escritórios quando a pandemia passar.

Segundo uma pesquisa com profissionais de TI no Brasil, 86,5% preferem trabalhar de maneira remota, enquanto apenas 6,8% preferem o modelo híbrido e 6,5%, a forma presencial tradicional.

O levantamento foi feito pela Vulpi, empresa de RH voltada para o setor de tecnologia, em uma base de 30 mil profissionais do segmento.

A maioria dos profissionais está concentrada em São Paulo (35,40%), Minas Gerais (21,21%) e Rio de Janeiro (8,93%).

As dez empresas mais desejadas para se trabalhar mencionadas pelos participantes foram Google, Nubank, Microsoft, Facebook, IBM, Amazon, Apple, Inter, iFood e Totvs.

Momento é positivo para compra de FIIs de lajes corporativas

28/07 – Info Money

Considerados os “patinhos feios” do mercado durante a crise sanitária, ao lado dos shoppings, os fundos imobiliários que investem em lajes corporativas podem estar em um momento de virada, e que pode ser favorável para ir às compras.

A avaliação parte de duas grandes gestoras do mercado, a RBR Asset e a Capitânia. As duas veem os descontos das cotas e o potencial de retomada do segmento como sustentação para o maior otimismo, especialmente com uma recuperação que já dá as caras na região da avenida Faria Lima, em São Paulo, uma das mais importantes para esses fundos.

A maior aposta no segmento de lajes corporativas foi revelada na última terça-feira, dia 28, por Guilherme Bueno, sócio-fundador da RBR Asset, e Caio Conca, sócio responsável pelo segmento imobiliário da Capitânia, em live organizada pela XP.

Ambos destacaram que os próximos dois a três anos devem ser marcados por uma oferta mais baixa de lajes corporativas. E o avanço da inflação de custos para construção deve ajudar a conter a queda nos preços de aluguéis no médio e no longo prazo.

A visão é compartilhada por Bueno, da RBR. Para ele, nos últimos quatro meses, houve uma melhora sensível do mercado de lajes corporativas na ponta, com as locações voltando e a preços de mercado mais interessantes, especialmente em regiões mais nobres da capital paulista. O gestor pontuou.

“Geralmente, o mercado começa puxando pela Faria Lima e ela puxa o resto. Agora, a dinâmica é diferente em regiões como a da Chucri Zaidan, onde há ainda um estoque grande de edifícios, e no Rio de Janeiro, onde a retomada deve demorar a ocorrer”.

Log eleva plano de expansão de galpões para atender comércio eletrônico

29/07 – Valor Econômico

A Log Commercial Properties ampliou, mais uma vez, seu plano de expansão até 2024. Em busca de atender à demanda de empresas de comércio eletrônico por locação de galpões, a companhia vai entregar o adicional de 1,5 milhão de m2 de empreendimentos no período.

Originalmente, a meta era adicionar 1 milhão de m2 ao seu portfólio, até 2024, total que já havia sido revisto para 1,4 milhão de m2. Com a nova alteração, o plano de crescimento passa a se chamar “Todos por 1.5”.

Os investimentos da companhia em galpões, no biênio 2020-21, somam R$ 1,61 bilhão de reais – com previsão de desembolso de R$ 670 milhões de reais, neste ano, e de R$ 940 milhões de reais no próximo.

Do total de 1,5 milhão de m2 que vai agregar à sua área bruta locável, a Log entregará 750 mil m2 até o fim de 2022. Metade dessa fatia já está pré-locada, segundo o presidente da empresa, Sergio Fischer. Em 18 meses, a Log vai quase dobrar seu portfólio de ativos.

“Teremos recorde em atividade construída no segundo semestre”, afirma Fischer.

A Log é a empresa com maior dispersão geográfica do segmento, com presença em 17 Estados.

Google vai cobrar vacinação contra Covid-19 de funcionários nos EUA para acesso a escritórios

28/07 – Folha de S.Paulo

O Google anunciou na última quarta-feira, dia 28, que vai cobrar dos funcionários nos Estados Unidos um comprovante de vacinação contra a Covid-19 para poderem acessar escritórios da empresa. A companhia afirmou que vai expandir a medida para outras regiões nos próximos meses.

Além disso, pretende ampliar a política de trabalho remoto para no máximo 18 de outubro por causa do recente salto no número de casos em diferentes regiões causado pela variante delta do vírus.

“Vamos continuar observando os dados com cuidado e avisar com pelo menos 30 dias de antecedência antes de fazermos a transição para nosso retorno pleno aos escritórios”, afirmou.

 

ARTIGOS BUILDINGS

Antes de finalizar, te convido para conferir os artigos e outros conteúdos na Revista Buildings e também no nosso canal no Youtube.

Nesta semana publicamos um novo vídeo com uma análise completa dos dados do mercado logístico neste 2T 2021: como ele está performando?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 4 =